ONLINE
1


 

"A paz esteja entre vós"


Demorou mas já estamos online. E estamos a todo o vapor.

Total de visitas: 15505


  Paróquia de Nª Srª da Penha de França 
Orar a Palavra_I Dom Advento

 

ANO C - I Domingo de Advento

«A vossa libertação está próxima... vigiai e orai em todo o tempo»

 

O Evangelho de hoje introduz-nos no novo tempo litúrgico: o tempo de Advento. O texto evangélico propõe um discurso apocalíptico, feito por Jesus aos seus discípulos, colocando-os diante de um tema problemático: o fim dos tempos. A linguagem apocalíptica não tem a função de assustar o crente avisando-o de uma iminente catástrofe, mas de despertar para algo de extraordinário, de novo, do qual não se está à espera. Apocalipse significa de facto “revelação”.

Introduzindo-nos nesta realidade, a Palavra de Deus, com tom firme e decidido, podemos mesmo dizer “escatológico”, convida-nos a considerar que o fim da nossa vida é alcançar Aquele que nos criou. Na esperança deste encontro podemos confiar que Deus, tomando a iniciativa, é o primeiro a dar o passo para facilitar o encontro: cada vez que é Advento, o Filho do Homem vem ao nosso encontro.

O Advento é todo orientado para o Natal. Este tempo forte não tem razão de ser senão como período propício para nos abrirmos ao dom da Encarnação de Deus, e de dentro de nós sai o desejo expresso de toda a Igreja «Vem, Senhor, Jesus». Assim como virá no fim dos tempos, o Emanuel, Deus- connosco, mais uma vez vem para encarnar no nosso hoje. Cada um deve preparar-se para a Sua vinda, acolher os sinais, encaminhar-se para um encontro que terá de viver dentro de si.

A passagem do Evangelho ajuda-nos a reconhecer que no nosso dia-a-dia podem estar hábitos e comportamentos pouco favoráveis ao encontro com Deus, que podem ser transformados em atitudes mais coerentes para O receber. Devemos afinar a nossa escuta e abrir o nosso coração para procurar, entre o “ruído” das montras enfeitadas e iluminadas, da publicidade aliciante, do exagero dos embrulhos e fitinhas, a verdade do Natal, o dom de Jesus para nós. Devemos reservar ao encontro com Deus um espaço importante do nosso viver, para estarmos preparados quando formos convidados a aproximarmos de Deus com a nossa humanidade.

 

Evangelho segundo S. Lucas(21, 25-28.34-36)

«Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: “Haverá sinais no sol, na lua e nas estrelas e, na terra, angústia entre as nações, aterradas com o rugido e a agitação do mar. Os homens morrerão de pavor, na expectativa do que vão suceder ao universo, pois as forças celestes serão abaladas. Então, hão-de ver o Filho do homem vir numa nuvem, com grande poder e glória. Quando estas coisas começarem a acontecer, erguei-vos e levantai a cabeça, porque a vossa libertação está próxima. Tende cuidado convosco, não suceda que os vossos corações se tornem pesados pela devassidão, a embriagues e as preocupações da vida, e esse dia não vos surpreenda subitamente como uma armadilha, pois ele sobrevirá sobre todos os que habitam a terra inteira. Portanto, vigiai e orai em todo o tempo, para terdes a força de vos livrar de tudo o que vai acontecer e poderdes estar firmes na presença do Filho do homem.»

 

SEGUNDA FEIRA

PALAVRA

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: “Haverá sinais no sol, na lua e nas estrelas e, na terra, angústia entre as nações, aterradas com o rugido e a agitação do mar.

 

Neste breve versículo descreve-se a situação do homem que não conhece Deus, que não O sente como Pai, que ignora que o seu ser vem d’Ele e para Ele regressa. Um homem assim não pode ser mais que uma pessoa angustiada pelo medo. Todos os sinais no sol, na lua, nas estrelas, na terra e no mar, eco dos nossos medos internos, entre os quais a morte, são acontecimentos naturais. O seu carácter trágico é fruto do pecado, que nos prende ao finito mais do que ao infinito e nos faz temer, mais do que desejar a vinda do Filho do Homem.

 

MEDITAÇÃO

Os sinais cósmicos representam, no Evangelho de Lucas, o vértice externo de tudo o que acontece no nosso coração, que é um murmurar de tantos cansaços da vida, pelo medo do futuro. Acontece muitas vezes vivermos com ansiedade, preocupados com mil problemas, angustiados pelo tempo que passa. Receamos caminhar para a finitude da vida ( a morte é um fim, não um começo). Em nós vive o mesmo medo de Adão ao ouvir os passos de Deus no jardim, identificando-O como um juíz e não como um Pai. Redimensionando os nossos medos podemos viver cada dia em plenitude, sem temermos o futuro, evitando pôr as nossas seguranças no que não é eterno.

 

ORAÇÃO

Senhor, peço-Te que me concedas sabedoria

para viver cada dia em plenitude,

como se fosse o único, como se fosse o último.

Dá-me um coração capaz de se aperceber

do chamamento que me espera no meu quotidiano.

Sei que deste modo encontrarei a alegria, a paz,

consolação e esperança,

e serei livre de todos os medos, de hoje e de amanhã.

Concede-me viver a vida que me dás,

em acção de graças,

procurando-Te e encontrando-Te  no meu viver

descobrindo-Te que és sempre meu Pai. Amen

 

ACÇÃO

Hoje, procurarei compreender de que modo a bondade do Senhor chega até a mim, na realidade onde vivo. Procurarei ler os sinais na óptica da esperança.

 

TERÇA FEIRA

PALAVRA

Os homens morrerão de pavor, na expectativa do que vão suceder ao universo, pois as forças celestes serão abaladas.

 

Jesus leva os discípulos a reflectir no seu grande medo: como os homens de hoje, vivem assustados pensando no último dia. Como pode tal acontecer? Isto acontece porque pensam que o Nada, o Vazio habita o Universo, porque se deixam guiar pela finitude e não tanto pelo desejo da vida eterna. Na realidade, as forças celestes que serão abaladas serão as forças do Inimigo, que Jesus já tinha visto mais vezes rondar os discípulos a quando das suas pregações (cf. Lc 10, 18).

 

MEDITAÇÃO

Hoje mais do que nunca temos a sensação de viver num mundo complexo e difícil, onde os sinais do Mal parecem ser mais numerosos do que os sinais de Bem. Somos bombardeados de notícias terríveis, próximas e distantes. Temos conhecimento que tantas pessoas continuam a viver à sombra das previsões do fim do mundo. Diante do Mal permanecemos, por vezes, sem respostas, parece que não sabemos para onde ir, de não conseguirmos ser protagonistas da nossa vida… mas uma verdade é certa: todo aquele que investiu tudo no mundo presente, vê, com terror, o desmoronar de todos os seus bens e de todas as suas esperanças. Pelo contrário, aquele que investiu tudo nos bens do céu vê chegar a felicidade eterna. 

 

ORAÇÃO

Jesus, confio em Ti.

Só Tu podes libertar-me dos medos;

só Tu és o Libertador e o Salvador;

Só Tu és credível, porque cumpres o que prometes

e convidas a viver com verdade a Tua vida.

Ajuda-me a ter mais fé e mais esperança,

a acolher as sementes de bem que semeias no mundo

e a fazê-las crescer.

 

ACÇÃO

Hoje, nos momentos mais difíceis e de maior cansaço, terei a coragem de parar e rezar ao Senhor, dizendo-lhe «Jesus, confio em Ti».

 

QUARTA FEIRA

PALAVRA

Então, hão-de ver o Filho do homem vir numa nuvem, com grande poder e glória.

 

Jesus esclarece finalmente que os sinais que referiu, escondem/ revelam a sua Vinda. Cristo virá numa nuvem, lugar bíblico do ser de Deus. A sua visão rasgará todos os medos e angústias. Será a luz e a verdade definitivas que vencerão as trevas e a mentira. Finalmente, Jesus será visível para cada um na sua verdade, revestido de poder e de glória, aquela glória antecipada em Belém, realizada em Jerusalém; Ele será tudo em todos. 

 

MEDITAÇÃO

Os sinais de sofrimento e de morte com os quais nos debatemos  ao longo da vida, alertam-nos para a caducidade da nossa existência. Este limite porém não é a palavra última sobre nós: por vezes não compreendemos que o nosso “fim”, na realidade, corresponde ao “fim” da vida, mas para entrar na Eternidade, e graças Áquele que vem ao nosso encontro. Podemos compreendê-lo se colocarmos a nossa confiança, a nossa esperança no Senhor que vem. E vem para conhecermos o verdadeiro rosto de Deus, o rosto da Miseriórdia, onde se manifesta todo o poder e glória do Deus de Jesus Cristo.

 

ORAÇÃO

Quero aguardar-te, Senhor Jesus,

com os meus ouvidos

para escutar sempre a Tua voz;

Com os meus olhos

para ver e reconhecer sempre a Luz de Deus;

Com a minha boca

para responder sempre à Palavra de Deus;

Com os meus ombros

para carregar sempre os sofrimentos de cada dia;

Com a minha inteligência

para aprender sempre a conhecer-Te e a segui-Te;

Com o meu coração

para que, pela fé,

Tu venhas sempre à minha vida;

Porque Tu és a minha Luz

E na tua Luz verei a Luz.

 

ACÇÃO

Hoje procurarei reservar um momento de silêncio para que dentro de mim se faça espaço para Deus, para estar com Ele e pedir-lhe: Vem, Senhor, vem a mim, ao meu coração, aos meus pensamentos, aos meus projectos, aos meus encontros, ao meu ambiente de trabalho… e se possível fazer das palavras acção.

 

QUINTA FEIRA

PALAVRA

Quando estas coisas começarem a acontecer, erguei-vos e levantai a cabeça, porque a vossa libertação está próxima.

 

Diante do mal exterior e interior, Jesus convida a acolhermos uma sabedoria, a descobrir os sinais da Sua vinda. Os obstáculos/ dificuldades da vida são inevitáveis, e por vezes é preciso atravessá-los para se entrar no Seu Reino, olhá-los de frente, olhos nos olhos, como Ele fez. De facto, enquanto o homem angustiado e receoso se curva sobre os seus medos, o homem que confia volta-se para o Céu e fixa o seu olhar em Deus.

 

MEDITAÇÃO

Nos momentos mais duros e complicados da vida não podemos desistir e entregarmo-nos; é preciso “levantar a cabeça”, nunca baixá-la, para descobrirmos a estrada, mesmo que escura, para reconhecer os sinais de Vida, uma Vida sem fim. No sofrimento e na dor, atravessando caminhos de morte, o discípulo tem a certeza e sabe que Cristo não o abandona, mas o liberta do medo e da própria morte, de uma vida terrena que acaba, para o introduzir na vida eterna. Esta é a libertação que Jesus prometeu e a cumprirá, como nos mostrou com a Sua ressurreição.

 

ORAÇÃO

Senhor, desperto o meu coração

para ouvir as tuas palavras

esquecidas na minha preguiça

perdidas no fundo de mim mesmo.

 

Acordo o meu coração

e ouço as tuas palavras dizerem-me que não me demore

a tirar o rancor e a preparar o terreno para a paz;

que partilhe sem contar,

que defenda os desprezados,

console os tristes,

difunda o respeito e acolha o estrangeiro.

 

Que não julgue os outros,

que me afaste da mentira,

perdoe as ofensas,

reze ao Pai que está nos céus

e reze pelos meus inimigos...

 

Senhor, bem vês

que desperto o meu coração,

que estou pronto para viver segundo o Evangelho!

 

ACÇÃO

Hoje, viverei o dia com coragem e procurarei estar perto de quem tem mais dificuldade em ver e viver a vida com mais esperança.

 

SEXTA FEIRA

PALAVRA

Tende cuidado convosco, não suceda que os vossos corações se tornem pesados pela devassidão, a embriagues e as preocupações da vida, e esse dia não vos surpreenda subitamente como uma armadilha, pois ele sobrevirá sobre todos os que habitam a terra inteira.

 

Jesus explica com muita clareza que quem espera de verdade a libertação, deve mudar de rota: preparar-se, fazer espaço, libertar-se de apegos vãos, recusar distracções não saudáveis, manter o coração livre de condicionamentos, principalmente daqueles típicos de quem é rico mas insensato: comida, bebidas, ócio, prazer (cf. Lc 12, 19.45). Tudo pode cair no engano das tentações: quem as contempla cai dentro, é surpreendido na sua própria armadilha, vive do hoje e não se prepara para o amanhã. O dia final chegará; para quem não se preparou será um drama.

 

MEDITAÇÃO

O coração do homem é o centro da sua vida; pode dilatá-la ou atrofiá-la, segundo a direcção que escolhe. Sabemos que existem experiências libertadoras, outras que encarceram. Um coração que pulsa por Deus  não mede o empenho, sabe que não pode funcionar na lógia do se/ se, mas deve escolher. O dia será inesperado, imprevisível, por isso é preciso prepará-lo bem: Deus quer encontrar-nos sempre prontos a dizer- Lhe Sim, não só com as palavras, mas também e sobretudo com a vida.

 

ORAÇÃO

Vem, à minha mente

E pensa Tu, Senhor.

Vem ao meu coração

E ama Tu, Senhor.

Vem ao meu espírito,

E transforma-lo Tu, Senhor.

Vem aos meus lábios

E fala Tu, Senhor.

Na minha mente Tu estás,

Vives em mim, Senhor.

No meu coração Tu estás,

Vive a Tua paz, Senhor.

 

ACÇÃO

Hoje, dizendo Sim ao Senhor, direi o meu “Sim” aos irmãos e procurarei ser sinal do amor de Deus junto das pessoas que encontro: dizer Bom dia, mesmo ao que me é mais antipático; não dizer logo “não” quando pedem algo; priveligiar a via do diálogo...

 

SÁBADO

PALAVRA

Portanto, vigiai e orai em todo o tempo, para terdes a força de vos livrar de tudo o que vai acontecer e poderdes estar firmes na presença do Filho do homem.

 

O convite é mais uma vez claro: vigiar e orar em todo o tempo. Convite feito aos seus discípulos e hoje é dirigido também a nós, mais uma vez: vigiai e orai. Vigiar na Bíblia significa estar atentos a tudo o que pode acontecer, permanecer para aquilo que o Senhor pedir. Quem vigia nunca é apanhado de surpresa; o seu vigiar não é vazio, mas cheio de oração. A oração fortalece a alma, dá força, faz-nos dirigir a Deus como Pai e prepara-nos para o encontro com o Filho.

 

MEDITAÇÃO

Vigilância e oração são atitudes típicas do tempo de Advento, levam-nos ao encontro, fazem-nos caminhar “direitos”, de cabeça levantada, fazem-nos viver com plenitude a nossa dignidade de filhos. Quem reza está sempre pronto: o orante tem os olhos voltados para o Senhor (cf. Sal 25, 15). A vinda do Filho do homem não é algo de tremendo: a sua vinda é o cumprimento do nosso maior desejo, a estrada de regresso a casa. O segredo de uma vigilância espiritual, de uma liberdade plena e de abertura ao Senhor, é a contínua oração do coração. A oração é a arma mais poderosa para enfrentar as adversidades do mundo.

 

ORAÇÃO

Hoje, rezarei o Pai- Nosso muito lentamente; em seguida páro para reflectir na expressão “Venha a nós o Vosso Reino”. Esta expressão será a minha oração do coração ao longo do dia: quando entro no autocarro, enquanto conduzo, antes das refeições, num momento do meu trabalho ou escola…

 

ACÇÃO

Neste dia, procurarei colaborar com Deus, no sentido de me esforçar em fazer com que a vida das pessoas que estão comigo sejam mais “Céu” que “terra”. (será um segredo entre mim e Ele).

 

                                                                                                          Ir. Anabela Silva fma

 

 
Criar um Site Grátis    |    Create a Free Website Denunciar  |  Publicidade  |  Sites Grátis no Comunidades.net